+55 11 3459 9029 / 11 97194 6476 contato@fabricarh.com.br

Onboarding Gamificado: Uma experiência que engaja e conquista novos colaboradores para uma trajetória de sucesso na empresa

Flavio Yoshimura, palestrante e sócio-fundador da FábricaRH e Treinamundi

O Onboarding (ou integração de novos colaboradores) é o primeiro contato do funcionário com a empresa que ele escolheu.

É um momento muito importante para que o profissional conheça a cultura e valores da organização e receba informações relevantes sobre o negócio. Assim, ele estará mais preparado para começar sua jornada satisfeito com a sua escolha.

Mas para que o onboarding seja bem sucedido, é preciso planejar a agenda desse primeiro encontro pensando na experiência dele. 

  • Como engajar esse funcionário de um jeito inovador?
  • Como proporcionar uma experiência divertida, transmitindo conteúdos relevantes?

São essas perguntas que responderemos ao longo do texto:

Crie vínculo emocional

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que esse novo colaborador passou por um longo processo seletivo: investiu tempo para conhecer a empresa e se preparar. Por fim, tomou uma grande decisão de carreira e apostou na sua empresa.

As expectativas são grandes e é isso que faz do Onboarding mais do que simplesmente um dia para receber o novo profissional. É também o momento de ajudá-lo a validar a decisão de entrar na empresa. 

Quando ele percebe que fez a escolha certa, cria-se um vínculo emocional com essa organização, fator essencial para seu engajamento a longo prazo.

Mas como garantir que esse vínculo emocional será criado?

Nossa experiência mostra que o Onboarding é uma questão de conteúdo e formato. Um dia presencial já é suficiente para transmitir informações relevantes, no entanto, isso exige bastante planejamento!

Cuide do conteúdo do Onboarding

Já vimos que fazer um onboarding é uma grande responsabilidade, já que vamos lidar com muitas expectativas de quem está chegando. Mas, outro grande desafio é pensar muito bem no conteúdo a ser transmitido.

Em pouco tempo, precisamos contar o que a empresa faz e garantir que as pessoas conheçam a sua essência: a cultura e valores. E para que isso aconteça, não tem nada melhor que contar sua história e origem.

Ao contar a história da empresa, falar sobre o ambiente de negócios da época, oportunidades e crenças do fundador, fica mais fácil entender por que as coisas são como são e por que a cultura se formou desse jeito.

Essas histórias são sempre inspiradoras e garantem maior engajamento e orgulho dos novos colaboradores.

O que abordar e o que não abordar

Se por um lado, falar sobre a origem da empresa é algo que trás orgulho, por outro lado, tem várias informações que são desnecessárias. Então cuidado para não despejar milhares de informações no novo funcionário. Quando isso acontece, a experiência do Onboarding passa a ser puro estresse.

O participante fica preocupado de esquecer o que viu, fica na dúvida se deveria anotar alguma coisa e, inevitavelmente, perde o interesse pela integração.

De forma geral, o que queremos dizer é que o excesso de informações gera estresse. Por isso, nem sempre vale a pena falar sobre organograma e todas as áreas da empresa. O tempo investido é maior e não gera vínculo emocional.

Um exemplo são os benefícios. Esse tema é essencial, mas pode ser falado quando o funcionário aceita a proposta de trabalho e assina a documentação.

O Onboarding não é uma questão de quantidade de tempo investido, mas sim da qualidade do tempo investido. Por isso, é importante pensar em uma agenda que envolva os principais temas, como por exemplo:

  • Sua história
  • Negócio
  • Valores
  • Cultura,
  • Etc…

Quando você define o conteúdo do seu Onboarding, meio caminho já está andado. Agora falta cuidar do formato, ou seja, em como passar essas informações de um jeito leve e descontraído, que engaje o novo público que está chegando.

O formato do Onboarding: gamificar é a melhor saída!

Quando a experiência é positiva, o vínculo que se constrói no logo no início permanece no longo prazo. Por isso ela precisa ser memorável! E nada melhor do que fazer uso de jogos para transformar seu Onboarding em um momento divertido e marcante. 

Além disso, jogos utilizam uma linguagem bem aderente à nova geração de profissionais do mercado.

Alguns exemplos do que é possível fazer em um onboarding gamificado:

  • Linha do tempo para falar da história da empresa;
  • Bingo para falar das áreas-chave;
  • Supertrunfo para falar de produtos;
  • Baralho de valores e outros.

Conheça outros exemplos de jogos que nós usamos na FábricaRH!

EXEMPLOS DE ATIVIDADES – FÁBRICARH